Como o Deep Learning torna o mundo mais prático.

No último post do nosso blog a gente falou sobre o Amazon Go, o primeiro supermercado físico que a Amazon está lançando nos Estados Unidos, no texto nós falamos esse mercado será equipado com câmeras, sensores, softwares e algoritmos deep learning. Os três primeiro equipamentos são palavras e itens que estão presentes no nosso cotidiano, estamos acostumados a ouvir e a falar sobre eles, mas e o último, os algoritmos deep learning, você sabe o que são? Esse é um termo relativamente novo e, é sobre ele que vamos falar nesse post.

O que é o Deep Learning?

O primeiro passo para começar a entender o conceito de deep learning, é a tradução livre do conceito para Aprendizagem Profunda, isso já traz uma ideia do que esses algoritmos são capazes de fazer, principalmente quando associados a inteligências artificiais presentes nos mais variados gadgets do nosso dia a dia, mas antes disso, temos que ver algumas coisas.

O deep learning é um conceito relativamente novo, que está diretamente ligado a um outro conceito não tão novo assim, como falamos antes, ele está muito associado a Inteligência Artificial, conceito criado em 1955, pelo cientista estadunidense John McCarthy, considerado por muitos como o pai da IA, por ter sido o pioneiro nos estudos nessa área e disse que a inteligência artificial era “a ciência e engenharia de fazer máquinas inteligentes”.

Dentro da IA, existe também a Machine Learning ou, Máquina de Aprendizagem, que junto com alguns outros componentes adicionais formam a inteligência artificial, como por exemplo, os mecanismos de Reconhecimento de Fala, Robótica, Visão Computacional e Processamento de Linguagem Natural. Sendo que todos esses componentes tem em sua composição os algoritmos de deep learning.

É aí que começamos a falar sobre as suas funcionalidades, sendo que a principal tecnologia por trás desses algoritmos é a das Redes Neurais Artificiais, que funcionam de forma baseada no próprio cérebro humano, onde a partir dessa tecnologia, as máquinas vão observar atos, analisar eles, aprender com eles e começar a agir, sempre com base no estudo dos dados levantados.

Essa é basicamente a premissa desses algoritmos, o deep learning é responsável por fazer com que as máquinas observem o maior número de dados possíveis (inclusive os que passam despercebidos pelos humanos), façam uma análise profunda desses dados, para só então agirem, ou então, projetarem possíveis ações que podem ser tomados, criando cenários e mostrando todas as possibilidades de cada ação.

Mas como o Deep Learning funciona?

Os processos de aprendizagem dos algoritmos deep learning se baseia no processo de aprendizagem do nosso cérebro, principalmente na parte conhecida como córtex visual, o chamado processo de Aprendizagem Hierárquica, onde a mensagem chega ao primeiro nível de neurônios e através das sinapses, vão sendo transmitidos aos outros neurônios, camadas após camada, até a assimilação total das informações.

No caso dos algoritmos, cada neurônio é representado por uma camada, sendo que as informações ao saírem de uma camada, já entram automaticamente em outra, dependendo da qualidade da informação, assim, é criado um processo hierárquico não-linear que ajuda na velocidade das sinapses, ou nesse caso, na transformação dos dados recebidos em informação útil para embasar decisões e ações.

O maior problema encontrado até o momento é organizar uma arquitetura dessas transferências de dados entre as camadas, afinal, nosso cérebro produz bilhões de sinapses entre os neurônios e, entender e organizar todo esse processo dentro dos algoritmos está um dos maiores desafios dos estudiosos.

Ao mesmo tempo em que é um problema e um desafio, esse é um dos campos que mais tem crescido e chamado a atenção das pessoas, seja por curiosidade ou para realmente estudar e colocar em prática o número de pessoas pesquisando sobre deep learning explodiu nos últimos anos, basta fazer uma busca rápida do termo no Google Trends, tendo como base as pesquisas desde o início de 2010 até agora, como você pode ver na imagem abaixo.

g-trends

Onde o Deep Learning está sendo utilizado?

Muito antes da Amazon utilizar esses algoritmos em seu futuro supermercado físico, o deep learning já era utilizado em muitas áreas do conhecimento e também mercadológicas.

Sabe aquele aplicativo que você utiliza para ouvir música e que toda segunda-feira te mostra um playlist com nome de Descobertas da Semana? Então, o Spotify utiliza o deep learning para ler as informações das músicas que você costuma ouvir para te sugerir novas músicas de um estilo parecido.

O site que você utiliza para assistir filmes streaming também utiliza o deep learning para te sugerir novos filmes e seriados, ele faz isso com base nas últimas coisas que você assistiu e aliás, esse é considerado o grande diferencial que o Netflix apresentou perante os seus concorrentes, o poder de conversar com o usuários e sugerir coisas novas e que agradam aos assinantes.

Isso para falarmos sobre dois casos bem simples da sua utilização, levando mais a fundo o uso dos algoritmos, podemos trazer o caso da IBM, que lançou o Watson, uma inteligência artificial que promete revolucionar alguns mercados, como o da tecnologia, educação, medicina e etc. Afinal, por ser uma inteligência flexível ela pode se moldar aos mais diversos campos do conhecimento e modelos de negócios.

Mas um dos campos mais fecundos para a utilização do deep learning é o campo do Big Data e Data Analysis, onde os algoritmos são os grandes responsáveis por buscar informações de diversas fontes de dados para criar projeções, cenários e embasar as tomadas de decisões. É o caso da gigante mundial em Business Intelligence, Qlik que desenvolveu o Qlik Sense, que promete fazer uma leitura completa dos dados das empresas, entregando a informação correta no ponto de decisão, otimizando as tomadas de decisões.

Na medicina o deep learning ainda dá os primeiros passos, onde estão sendo testados “médicos virtuais” que vão auxiliar nos diagnósticos de doenças. Em outros campos os algoritmos apenas estão sendo aperfeiçoados, como é o caso da Siri no iOs e da Cortana no Windows, ou os mecanismos do Google de busca e sugestão de pesquisas e conteúdos, que já se utilizam do deep learning há tempos.

Mercado e estudos sobre o Deep Learning

Uma pesquisa recente, realizada pela consultoria Tractica, mostrou que os investimentos mundiais no campo da inteligência artificial, giraram em torno de $202,5 milhões, mas também apontou que este número pode saltar para impressionantes $11,1 bilhões em 2024. Isso mostra a força desse campo de estudo e atuação, que tende a apresentar um crescimento acelerado nos próximos anos.

Se você se interessou sobre o tema e quer estudar mais sobre o Deep Learning, a Rang Tecnologia tem duas boas dicas para você, mas você precisa estar com o inglês afiado para isso, já que a maioria dos conteúdos é escrito na língua inglesa. O primeiro, é um curso online e gratuito oferecido pelo Google em parceria com a Universidade do Vale do Silício, a Udacity, que você pode acessar e iniciar a hora que quiser clicando aqui.

E a nossa segunda dica, é um livro escrito e publicado por professores e estudiosos do famoso Instituto de Tecnologia de Massachusetts, o MIT, este livro traz um apanhado geral sobre todos os conceitos que você precisa dominar para desenvolver essa tecnologia, você clicar aqui para ter acesso online ao livro completo.

Se você se interessou pelo conteúdo e gosta de entender como a tecnologia torna o mundo mais prático, entre em contato e fique ligado na Rang Tecnologia através do nosso Facebook e do nosso website.

One thought on “Como o Deep Learning torna o mundo mais prático.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *